Nelson de Sá

Toda Mídia

 

No México, tráfico mata mais de 50 pessoas

Escalada do "Jornal Nacional":

No México, traficantes de drogas matam mais de 50 pessoas num cassino. A caçada ao ditador: aviões britânicos ajudam na perseguição. Comandantes rebeldes ocupam a fortaleza de Gaddafi em Trípoli. Reportagem mostra a esperança da reconstrução do país e testemunham os combates que não deixam a guerra acabar. O PIB dos Estados Unidos cresce menos do que o esperado. Descobertas fraudes em autorizações para a construção de prédios em São Paulo. O ator Reynaldo Gianecchini deixa o hospital em São Paulo e diz que se sente forte para seguir o tratamento de saúde. Na última reportagem da série sobre a usina de Belo Monte, o impacto da obra gigantesca para moradores das cidades vizinhas. O furacão Irene se aproxima. Moradores de áreas de risco em Nova York precisam deixar suas casas. A seleção feminina vence mais uma no Grand Prix de vôlei.  

E do "SBT Brasil":

Reynaldo Gianecchini deixa o hospital depois da primeira sessão de quimio. Fãs de Justin Bieber na contagem regressiva para o show em outubro. Adolescentes madrugaram para garantir o lugar perto do astro. Carga pesada: acidentes com rodas soltas preocupam motoristas e pedestres. Atentado terrorista deixa 18 mortos na Nigéria. Cena inédita: moradores de Nova York estocam comida com medo do furacão Irene. Nos 30 anos do SBT, convidamos você para sair da sala e dar um pulo na cozinha.  

O blog volta na segunda.

Escrito por Nelson de Sá às 21h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os interesses da Al Jazeera

O think tank Council on Foreign Relations, de Nova York, em texto de Elliott Abrams, questiona o papel do reino do Qatar e do canal de notícias da família real, Al Jazeera, na Primavera Árabe:

Apoia democracia na Líbia, mas ajuda a esmagar os protestos no Bahrein... Sua ação diplomática visa defender os interesses da família no poder. Sua adoção da oposição líbia não é baseada em qualquer princípio (como liberdade ou eleições livres), pois o governo e seu canal, Al Jazeera, têm sido notadamente silenciosos sobre o Bahrein. 

Sublinha que o país fornece soldados para a repressão comandada pela Arábia Saudita no Bahrein. E que a Al Jazeera limita a cobertura dos acontecimentos no vizinho ao canal em inglês, evitando no canal em árabe.

No começo deste mês, depois de se alinhar aos EUA na campanha na Líbia, a Al Jazeera foi enfim liberada no cabo em Nova York.

Escrito por Nelson de Sá às 13h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De Londres, o mau exemplo

O governo britânico se reuniu ontem com Twitter, Facebook e BlackBerry para discutir como "usar a mídia social para combater crimes e períodos de agitação civil", relata o "New York Times". Ao mesmo tempo, "tenta se esquivar das acusações de hipocrisia e censura na conclamação do primeiro-ministro David Cameron para restringir o uso das redes".

O jornal anota que o "Global Times", da China, elogiou as declarações de Cameron, publicando que "o debate aberto da contenção da internet no Reino Unido abre nova oportunidade para o mundo todo". Anota também que a agência Fars despachou que o Irã questionou a repressão e aventou "enviar delegação de direitos humanos para avaliar as violações".

Escrito por Nelson de Sá às 11h32

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Marco Civil da Internet dá mais um passo

O "Valor" noticia e o site Tele.Síntese detalha o Marco Civil da Internet, enviado ao Congresso. O projeto, que "estabelece o prazo de um ano para a guarda de registros de conexão", entre outros pontos, também "deixa clara a neutralidade da rede ao obrigar o responsável pela transmissão a tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados".

Do Teletime, sob o título "PL 84 deve ser superado pelo Marco Civil":

Na visão de especialistas, com o Marco Civil no Congresso, a tendência é que a tramitação do PL 84, do senador Eduardo Azeredo, seja ainda mais lenta. O PL 84 sofreu dura oposição de grupos ativistas da internet, pelos quais chegou a ser chamado de AI-5 digital. Já o Marco Civil é tido como mais brando e com regras mais completas e proporcionais. Uma diferença é que apenas por ordem judicial os provedores poderão fornecer dados. Na proposta Azeredo, eles poderiam ser obtidos por uma simples requisição de autoridade, policial ou não. Para o diretor de políticas públicas do Google Brasil, o PL 84 está "desatualizado".

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, diz que o Marco Civil resulta de "forte dose de consenso".

Escrito por Nelson de Sá às 11h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Big Brother"

Na edição de hoje, publico análise sobre a idolatria de Steve Jobs, que começou como defensor da "liberdade" contra o Grande Irmão, primeiro a IBM, depois a Microsoft, mas se tornou ele próprio o Grande Irmão.

Os vídeos citados são encontrados no The Next Web, via Blue Bus.

Escrito por Nelson de Sá às 09h50

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Buffett aposta no cambaleante Bank of America

 

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

O "FT" diz que "todos os olhos estão hoje em Ben Bernanke", o presidente do banco central americano, "inclusive todos os olhos nos emergentes". Mas é baixa a possibilidade de que anuncie a temida terceira rodada de "relaxamento quantitativo", com efeito inflacionário. Para os BCs dos países em desenvolvimento, "a questão é se vão focar mais o combate à inflação, que continua sendo um problema para China, Índia e Brasil, ou estimular crescimento como os países desenvolvidos".

Especialistas do "think tank" Centro Chinês para Intercâmbio Econômico Internacional defendem, no "CD", que o país precisa aumentar o investimento direto e "apoiar o desenvolvimento da economia real nos EUA". Um dos analistas registra que "o BC chinês pode transferir as reservas em moeda estrangeira para os bancos comerciais e empresas chinesas podem emprestar o dinheiro para investir no exterior", não só nos EUA, mas no Brasil, entre outras "boas destinações".

O "CD" informa que o banco chinês ICBC "segue no trilho da expansão externa, apesar dos mercados financeiros incertos". Conseguiu aprovar sua entrada na Índia e espera licença no Brasil.

O "WSJ" reporta e o "CD" reproduz que, para o co-fundador do grupo Carlyle, Bill Conway, a China não é mais emergente, já "emergiu". Foi durante evento da associação de investidores de "private equity" (participação em empresas) dos emergentes. A China levantou US$ 10 bilhões no primeiro semestre. "Brasil e Índia também viram grandes saltos, com US$ 3 bilhões e US$ 2,5 bilhões, respectivamente."

O "FT" noticia, de Londres, que os preços do minério de ferro atingiram seu valor mais alto em três meses, devido a "interrupções de suprimento e forte demanda da China". Esta é "a maior importadora do mundo, respondendo por 60%". Austrália e Brasil "são os maiores exportadores".

O "CD" ecoa o chinês "Economic Information Daily", com a notícia de que "cresceram os recursos comerciais lançados por emergentes contra a China", citando Argentina, México, Brasil, Turquia e Índia. Aponta "protecionismo".

Escrito por Nelson de Sá às 08h59

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Governo projeta 3,7% de crescimento em 2011

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais um trabalhador rural é morto no Pará

Escalada do "Jornal Nacional":

Tiros na capital da Líbia: nossos repórteres testemunham a derrubada de um ditador. Os rebeldes caçam o presidente deposto por todo país e tentam avançar em direção à cidade natal dele. ONU autoriza a liberação de R$ 1,5 bilhão para um conselho de transição. A polícia da Áustria acusa um homem de violentar as filhas por mais de 40 anos. Americanos se preparam para a chegada de um furacão nos Estados Unidos. O ex-banqueiro Salvatore Cacciola deixa a cadeia. Um teste mostra a deficiência de alunos brasileiros com a matemática. Mais um trabalhador rural é morto no Pará. Na série especial sobre a Usina de Belo Monte, tudo o que precisa ser protegido antes do avanço das máquinas.  

E do "SBT Brasil":

A mulher pode desaparecer da face da Terra. Atenção, motoristas: levar bebida alcóolica no carro pode virar infração gravíssima. Apito amigo: em qual posição estaria seu time se os juízes não errassem tanto? Furacão Irene passa pelo Caribe e deixa rastro de morte e destruição. As dicas para dominar um segundo idioma sem pagar nada.

Escrito por Nelson de Sá às 22h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

iPad em 2012, iPod e iPhone no mês que vem

Folha e "Valor" informam que a produção de iPad no Brasil deve começar em 2012, não mais em novembro, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Jundiaí, dizendo que "a previsão é começar as atividades em setembro com produtos mais simples, como iPods e iPhones". Os iPads ficam para depois, por "problemas de abastecimento dos componentes".

Por outro lado, sublinha o "Valor", "ontem a Foxconn confirmou a produção local, o que ainda não tinha ocorrido oficialmente". Segundo a empresa que produz para a Apple, a estrutura está "em processo de montagem" em 10 a 12 módulos do complexo Global Jundiaí, no quilômetro 66 da rodovia Anhanguera, perto de onde a Foxconn já fabrica produtos para Sony, HP e Dell.

Escrito por Nelson de Sá às 10h05

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Godspeed, Mr. Jobs"

John Biggs, do TechCrunch, sob o título "Steve Jobs: O fim de uma era":

Boa viagem, Mr. Jobs. Vamos sentir sua falta no palco.

David Pogue, do "New York Times":

Mr. Jobs redesenhou quase sozinho uma série assombrosa de indústrias: música, TV, filmes, software, celulares e computação em nuvem. Obrigado, Mr. Jobs, por uma carreira incrível. Os mundos da cultura, da mídia e da tecnologia nunca viram algo como você.

Walt Mossberg, do "Wall Street Journal":

A maioria tem sorte se pode mudar o mundo em um ponto importante, mas Mr. Jobs, em múltiplas passagens de sua carreira de negócios, mudou a tecnologia e a mídia globais em múltiplas linhas e ocasiões. E isso mudou a maneira como as pessoas vivem.

E John Gapper, do "Financial Times":

Mr. Jobs, com apenas 56 anos, se ergue como um dos maiores líderes de empresas, talvez o maior, do pós-guerra. Nos últimos 30 anos, ele não só liderou uma onda de mudança tecnológica emanando do Vale do Silício _o computador pessoal, a internet, o tablet_ mas estampou sua estética no mundo.

Escrito por Nelson de Sá às 09h23

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Steve Jobs renuncia como chefe da Apple

 

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

O "FT" destaca que o brasileiro BTG Pactual está em negociações com o chileno Celfín Capital "para criar o maior banco de investimento da América Latina, sua ação mais ousada até agora para consolidar sua posição na região e se tornar uma força global". Analistas "apostam que o Pactual, comandado pelo jovem bilionário Andrés Esteves, pode voltar em pouco tempo sua atenção para alvos na Europa e na Ásia".

A correspondente Samantha Pearson  avalia que a fusão "parece bastante com uma aquisição", em análise sob o título "BTG Pactual: o próximo superbanco dos mercados emergentes?".

"NYT" e "WSJ" noticiam que a "conferência de reconstrução da Líbia" do dia 1º de setembro, em Paris, deve incluir "mais de 30 países, com China, Rússia e Brasil também convidados". O presidente francês citou os cinco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), argumentando que é preciso "ir além do grupo de contato".

O "CD" volta a destacar que, em conversa com o chanceler brasileiro, o chinês Yang Jiechi afirmou que a ONU deve cumprir papel dominante na reconstrução e os Brics devem fortalecer sua coordenação para ter "papel positivo". Yang Lihua, da Academia Chinesa de Ciências Sociais, avalia que "a intervenção militar na Líbia é baseada numa resolução do Conselho de Segurança e, agora que as operações vão acabar, é óbvio que a ONU deveria ter um papel dominante, e não os países ocidentais".

A estatal indiana ONGC anuncia que vai participar mais "agressivamente" de futuras licitações de reservas de petróleo no Brasil, no Iraque e em Omã.

O "FT" informa que a empresa de bebidas britânica Diageo, que produz Johnnie Walker, Baileys, Guinness e Smirnoff, entre outras marcas, está conseguindo reagir à queda do consumo na Europa com "crescimento de dois dígitos nas vendas de uísque e vodka no Brasil".

Escrito por Nelson de Sá às 08h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Em Trípoli, disparos de comemoração e de combate

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 07h57

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Seleção cai para a sexta posição no ranking

Escalada do "Jornal Nacional":

Rebeldes líbios anunciam que têm controle quase total da capital, Trípoli, e procuram Muammar Gaddafi vivo ou morto. JN no Ar vai a Belém, onde uma gestante não conseguiu atendimento em dois hospitais. Na Bahia, nossos repórteres mostram o transporte que municípios oferecem aos doentes transferidos para Salvador. A Justiça concede liberdade condicional ao ex-banqueiro Salvatore Cacciola. Milhares de sem-terra fazem manifestação de protesto em Brasília.   

E do "SBT Brasil":

A seleção brasileira cai para a sexta posição no ranking da Fifa. Dilma Rousseff está entre as três mulheres mais poderosas do mundo. Nasce em São Paulo o filho do craque Neymar. Em Belém, laudo diz que gêmeos já estavam mortos antes de a mãe chegar ao hospital. R$ 2,5 milhões: é o que vai ganhar quem der pistas de Muammar Gaddafi. Remédios doados para vítimas de enchentes em Teresópolis vão para o lixo. Denúncia: fotos da perícia desmentem ação considerada heroica pela polícia de São Paulo.

Escrito por Nelson de Sá às 23h58

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"All hail Romenesko"

Jim Romenesko, cujo blog estabeleceu há 12 anos o modelo para os agregadores de mídia, anuncia sua "semi-aposentadoria" em entrevista a Michael Calderone, seu seguidor no Huffington Post. Ao longo da última década, foi a maior referência na cobertura do jornalismo americano.

O site do instituto Poynter, que abriga o blog, montou um Storify para retratar a reação. E avisa que está abrindo vaga para repórter de mídia. "Dica: não reivindique ser 'o próximo Romenesko'."

Para Howard Kurtz, do Daily Beast e da CNN, "Jim Romenesko semi-aposentando? O cara que inventou o agregador de mídia? Isso é permitido?". Para Jay Rosen, da New York University, foi "o homem que ensinou ao jornalismo americano o que são 'blog' e 'agregador'". Jack Shafer, da Slate:

Salve, Romenesko!

Escrito por Nelson de Sá às 18h14

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Abril e a profissionalização

No site da "Veja", que é do grupo, "Fábio Barbosa é o novo presidente executivo da Abril S.A.". De saída do Santander, "executivo vai responder pelas áreas de mídia, gráfica e distribuição, além de integrar o conselho editorial". Do presidente do conselho, Roberto Civita:

Fábio é conhecido pela sua integridade, sua habilidade no trato com pessoas e seu compromisso com o futuro de um Brasil mais justo, mais desenvolvido e melhor administrado. Sua vinda fortalecerá a Abril em todos os sentidos, marca um passo importante na profissionalização do grupo e assegura a manutenção dos nossos valores.

Do próprio Fábio Barbosa, ao caderno Mercado e ao "Valor":

A culpa é de vocês [jornalistas]. Percebi nesses anos de convívio que vocês têm uma vida mais interessante e divertida que a nossa [no banco]. Estou muito animado. É um setor novo, que tem muito trabalho para desenvolver... Sou fascinado pelo mundo da imprensa, pelas mudanças tecnológicas e pelo papel das redes sociais.

Análise do "Valor", sob o título "Mudança visa profissionalização":

É mais uma tentativa de profissionalizar. A primeira ocorreu em 2000, com a contratação do engenheiro Ophir Toledo para dirigir a editora, principal negócio do grupo. Porém Ophir permaneceu apenas um ano e meio. Logo na sequência, Roberto Civita chamou Maurizio Mauro para fazer a reestruturação na Abril, que atravessou grave crise financeira. Mauro permaneceu até 2005. Cinco meses depois, a Abril vendeu 30% de seu capital para o grupo sul-africano Nasper. Desde então, vinha sendo comandada pela família Civita, em especial pelo próprio Roberto. No último ano, porém, Roberto vem dividindo seu tempo com a Abril Educação, que tornou-se sua menina dos olhos.

Escrito por Nelson de Sá às 11h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Strauss-Kahn e a precipitação

Do advogado de Strauss-Kahn, após a retirada das acusações:

Que reviravolta. E que tragédia na vida de Dominique Strauss-Kahn. Houve uma precipitação coletiva no julgamento, não só de quem executa a lei, mas também da mídia

O "New York Times" escreve, de Paris, que "sua carreira política está claramente danificada pelos meses de investigação e notoriedade".

Os tabloides "NY Post" e "Daily News" nem registram em suas capas a retirada das acusações contra Strauss-Kahn, alvo de ambos por meses.

Escrito por Nelson de Sá às 10h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Por favor, não atire"

Na edição de hoje, publico a análise "'Jornalismo heróico' na Líbia empurra correspondentes para a linha de tiro", sobre a cobertura de Sky News, BBC e Al Jazeera, entre outras, em Trípoli.

Abaixo, Sara Sidner pede, "please don't shoot, Sir":

Escrito por Nelson de Sá às 09h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enxame de rebeldes toma complexo de Gaddafi

 

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

O "CD" relata que os chanceleres da China e do Brasil, Yang Jiechi e Antonio Patriota, discutiram por telefone a situação líbia. Jiechi disse que houve mudanças significativas "recentemente" na Líbia e é importante obter "paz e estabilidade o mais cedo possível". Disse apoiar que a ONU assuma um "papel dominante no acerto pós-guerra" e que "os países Brics devem fortalecer sua coordenação e comandar uma influência positiva". Patriota "disse concordar com a visão de Yang" e que "dá importância para o papel da China". Do chanceler chinês:

A China quer trabalhar com o Brasil para ajudar a Líbia a obter estabilidade e embarcar no caminho da reconciliação e da reconstrução o quanto antes. 

O "FT" destaca que o Conselho de Transição Nacional, dos rebeldes líbios, quer a liberação inicial de US$ 2,5 bilhões, dos US$ 100 bilhões congelados pela ONU no início dos conflitos. E que o "acordo sobre uma nova resolução requer a aprovação dos membros do Conselho de Segurança _Rússia, China, Brasil e Índia_ que foram reticentes com a operação da Otan na Líbia até agora".

No "CD", o superavit comercial da China caiu para 1,44% do PIB, no primeiro semestre, mas já apresentou alta em julho, "atribuída à rápida ascensão nas exportações para emergentes como Brasil e Rússia e à queda no preço de commodities importadas". Relata que, em um ano, o comércio cresceu 38,6% com o Brasil e 86,6% com a África do Sul.

O jornal noticia a joint venture chinesa da maior empresa de logística da Europa, a alemã BLG, que vê "grande potencial nas ambições de exportação de veículos" para os "novos destinos quentes das montadoras chinesas, Brasil e África do Sul, países em que tem ampla rede" de distribuição.

No "NYT" e no "WSJ", a empresa de alimentação Heinz reduziu seu lucro, "mas o crescimento nas vendas é forte" e "excedeu as espectativas por causa de forte crescimento em lugares como China e Brasil". No "FT", fazendo trocadilho com "ketchup", a Heinz agora "corre atrás" dos emergentes.

O "WSJ" alerta para o risco da "mais recente invenção financeira do Japão", fundos que oferecem retorno elevado apostando nos altos juros pagos pelos títulos brasileiros _os mesmos juros que começam a "pesar sobre a economia brasileira", daí um risco, além da possibilidade de corte brusco nas taxas, outro risco.

O "FT" posta que o Brasil freou o projeto de tornar sua moeda mais conversível "diante de tanto tumulto financeiro no mundo".

"Menos de um mês depois de anunciar um corte de impostos para alguns setores industriais", informa o "WSJ", "o governo brasileiro anunciou um aumento no imposto sobre cigarro para compensar a redução na receita".

O "WSJ" destaca a alta nos salários dos clubes de futebol da Rússia, que tornaram Samuel Eto'o, recém-contratado pelo Anzhi Makhachkala, o esportista mais bem pago do mundo. E que levam para o país brasileiros como Roberto Carlos, Jucilei e Diego Tardelli.

Escrito por Nelson de Sá às 08h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Gaddafi foge e diz que lutará até a morte

 

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h02

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cresce o número de evangélicos no Brasil

Escalada do "Jornal Nacional":

Rebeldes tomam o quartel-general de Muammar Gaddafi na Líbia, mas o paradeiro do ditador é desconhecido. Europa e Estados Unidos afirmam que as ações militares serão encerradas depois da derrubada do atual regime. São Paulo: menores infratores destroem instalações do Conselho Tutelar. Mulher em trabalho de parto não consegue atendimento em Belém. Depois de ser atendida por bombeiros, os bebês gêmeos nascem mortos. A Marinha diz que praças internados no Rio podem ter sido vítimas de um vírus da gripe. Brasileiros batem recorde histórico de gastos no exterior. Em uma série especial de reportagens, a usina de Belo Monte: o que está em jogo na construção da terceira maior hidrelétrica do mundo. 

Do "Jornal da Record":

Crime no hospital: médica não atende grávida de gêmeos. Os bebês morrem e a ginecologista vai parar na delegacia. Filho de craque da seleção sub-20 é roubado do colo da mãe. Cresce o número de evangélicos no Brasil. O dia em que a Casa Branca tremeu: terremoto abala Estados Unidos. Os rebeldes que romperam o cerco tomaram a fortaleza de Gaddafi, mas não encontraram o ditador líbio. Na série especial: a agonia de animais explorados e depois abandonados. 

E do "SBT Brasil":

Um terremoto sacode a costa Leste dos Estados Unidos. O tremor de 5,8 pontos foi sentido na capital, Washington, e também em Nova York. Genéricos: quase dez anos depois, ainda tem médico que resiste em receitar. A saúde pública na UTI: em Belém, grávida perde gêmeos por falta de atendimento. No Rio, aposentado deita no chão por falta de leito. Em Porto Alegre, greve de servidores fecha postos de saúde. A guerra civil na Líbia: rebeldes invadem o quartel-general de Gaddafi e estão a um passo de tomar o poder. Surpresa: exames não apontam droga no corpo da cantora Amy Winehouse. Brasileiros congestionam site dirigido a casal infiel.

Escrito por Nelson de Sá às 22h12

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A 50 metros

Na Sky News, Alex Crawford segue na linha de frente, neste momento a 50 metros do complexo de Gaddafi, relatando, ao vivo:

Até aqui [os rebeldes] enfrentam pouco fogo contrário. Eles estão aqui em grande número. É o que estão considerado seu avanço final.

A concorrente BBC, também inglesa, reagiu com Rupert Wingfield-Hayes, que seguia ontem com um comboio de rebeldes que acabou atacado:

Aqui, a BBC News ao vivo.

Escrito por Nelson de Sá às 11h43

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

E começa o PNBL

A Agência Brasil informa, via "Exame" e outros, que a partir de hoje:

Os moradores do município goiano de Santo Antônio do Descoberto vão poder contratar internet com velocidade de acesso de 1 megabit por segundo (Mbps) a R$ 35 por mês. Esta será a primeira cidade atendida pelo Plano Nacional de Banda Larga. O serviço será oferecido pela Sadnet, uma prestadora de serviços de telecomunicações da cidade. A partir de setembro, a empresa de telefonia móvel TIM também vai oferecer internet com velocidade de 1 Mbps a R$ 35 por mês, com os incentivos do PNBL. As primeiras localidades atendidas pela operadora de origem italiana serão Samambaia e Recanto das Emas, no Distrito Federal, e Águas Lindas e Santo Antônio do Descoberto, em Goiás.

Escrito por Nelson de Sá às 09h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na batalha de Trípoli, temor de caos e incerteza

 

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

O "NYT" noticia que "Começa a disputa pelo petróleo da Líbia". As "nações ocidentais, especialmente os países da Otan que deram apoio aéreo aos rebeldes", querem garantir a primazia. O chanceler italiano diz que a Eni será a "número 1", enquanto um porta-voz da "companhia de petróleo rebelde Agoco" declara: "Podemos ter algumas questões políticas com Rússia, China e Brasil". Os três, diz o jornal, "não apoiaram sanções fortes contra o regime e, no geral, defenderam solução negociada".

O "WSJ" informa que as dificuldades da safra de cana no Brasil e a crescente "voracidade da classe média da China" podem elevar os preços do açúcar a alturas que não é possível prever, segundo analista.

O "WSJ" destaca que o "Brasil faz o primeiro leilão para operação de aeroporto", visando "entrar no ritmo de investimento em sua infraestrutura de viagens aéreas para a Copa de 2014". O preço oferecido pelo consórcio brasileiro-argentino Infra-America foi "três vezes maior do que o preço de reserva estabelecido pelo governo brasileiro".

O "FT" relata que a NEC "espera elevar vendas na América Latina em dez vezes até 2017, estimulada pela demanda dos consumidores brasileiros obcecados por 'gadgets' e pela infraestrutura de que o país precisa para sediar Copa e Olimpíada".

O jornal informa também que a empresa britânica de segurança G4S, com atuação em aeroportos e eventos musicais, agora "mira os emergentes", nos quais deve investir metade de seus recursos. "As necessidade de segurança do Brasil, como sede da Copa de 2014 e dos Jogos de 2016, são de particular interesse para o grupo, que entrou no ano passado no país, comprando duas empresas."

Ressaltando o caso de Cássio Calil, no JP Morgan Chase desde 2005 e agora de volta ao Brasil, para chefiar as operações do banco no país, o "FT" acompanha a "volta para casa" de "um número crescente de brasileiros com experiência internacional".

O fundo Thrive Capital, de Joshua Kushner, co-fundador da Vostu, "a maior empresa de jogos on-line no Brasil", levantou US$ 40 milhões para investir em "start-ups de tecnologia em Nova York", mas "também na América Latina", informa o "NYT".

O "CD" relata que 20 cantores de ópera de países como EUA e Brasil se apresentaram em Pequim, com trabalhos baseados em "velhas histórias chinesas", parte de um programa de intercâmbio do Instituto Confúcio.

O "WSJ" relata que a Fundação Robert Sterling Clark, que há muito apoia instituições culturais de Nova York, "muda seu foco para intercâmbio internacional". Entre outros programas, "vai apoiar artistas dos EUA em viagem ao Brasil, para 18 apresentações" que começam nesta semana em São Paulo.

Escrito por Nelson de Sá às 08h28

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na batalha por Trípoli, reaparece filho de Gaddafi

 

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 07h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

PMs envolvidos na morte da juíza no Rio

Escalada do "Jornal Nacional":

Rebeldes líbios enfrentam resistência na capital. Tropas leais a Muamar Gaddafi ainda tentam evitar a queda do ditador. Estados Unidos e países europeus querem que ele deixe o poder pacificamente. A promotoria pede o arquivamento das acusações contra o ex-diretor-gerente do FMI Strauss-Kahn. Fechado um garimpo ilegal que devastou a floresta em Mato Grosso. O comandante da PM no Rio diz não ter dúvidas do envolvimento de policiais militares na morte da juíza. Mais de dois meses de greve em escolas de Minas e pais de alunos pedem o adiamento do Enem para que os filhos não sejam prejudicados. Leiloado o primeiro aeroporto para a Copa de 2014 no Brasil. Memórias da construção de Brasília: filha de um operário revê mensagens que ele deixou no Congresso Nacional. Depois de ser eleito o craque da Copa Mundial Sub-20, Henrique tem que decidir se vai continuar no São Paulo. 

E do "SBT Brasil":

O que causou a queda da arquibancada no show de Ivete Sangalo? Como balas da PM foram parar nas armas que mataram a juíza Patrícia Acioli? Governo aperta o cerco contra fumantes. Cerco também se fecha na Líbia: rebeldes tomam a capital, Trípoli. O fim de uma era: espaço para domésticas em apartamento é coisa do passado. Sequinho e crocante: júri escolhe o melhor pastel de São Paulo.

Escrito por Nelson de Sá às 22h51

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na linha de frente

Nem Al Jazeera nem CNN. Na cobertura de Trípoli, o canal de notícias britânico Sky News, reproduzido pela Fox News, também de Rupert Murdoch, saiu na frente com a correspondente Alex Crawford, do alto de uma caminhonete, reportando ainda no domingo:

Vocês conseguem ouvir este som? É o som das pessoas celebrando. 

Foi elogiada por Piers Morgan, da CNN, pelo "jornalismo heróico".

Mais no "Telegraph" e no "Guardian".

Escrito por Nelson de Sá às 13h04

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Papel é melhor que site

Na Slate, sob o título "Impresso vs. on-line", o analista de mídia Jack Shaffer conta por que, após cancelar a assinatura impressa do "New York Times", por acreditar que o site do jornal era "superior para transmitir as notícias", acabou assinando novamente:

Senti falta foi das notícias. Embora passasse bastante tempo clicando no site, rapidamente concluí que não estava lembrando tanto do jornal quando deveria. Optar pelo eletrônico havia reduzido meu poder de retenção. Também notei que ignorava matérias valiosas. Meus achados anedóticos sobre a superioridade do papel foram sustentadas neste mês por um estudo acadêmico, "Medium Matters".

O estudo deu 20 minutos para dois grupos lerem o "NYT", um impresso, o outro on-line. Os que leram em papel "lembram-se significativamente de mais notícias do que os leitores on-line" e também de mais assuntos tratados nos textos. Só houve empate na memória dos títulos.

Entre outras explicações, o estudo afirma que os sites dão pouca indicação sobre a importância da notícia, perdendo assim a "função de definir a agenda" presente no papel. Os sites não ressaltam, por exemplo, noticiário político, nacional e internacional. E não foi achada prova de que os formatos dinâmicos das notícias on-line, com links, vídeos e outros, tornaram as notícias mais memoráveis. Pelo contrário, anúncios e a divisão em várias páginas alteram a leitura. Acrescenta Shaffer, de sua parte:

A atenção dada ao tipo, espaçamento, tamanho da linha, ordenação do texto, tamanho da página, margens e todos os outros truques do tipógrafo dá aos olhos e à mente uma vantagem sobre a cópia postada pelos browsers da web.

Escrito por Nelson de Sá às 11h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sem crédito

Produzido por Rafinha Bastos, Thaíde, Débora Vilalba e Sophia Reis, o programa "A Liga" da última terça, sobre trabalho escravo na produção da confecção Zara, ecoou Brasil e mundo afora, nas mídias tradicionais e sociais. Do jornalista e "stand up", em seu perfil no Twitter:

Saiu matéria sobre a Zara em vários veículos s/ citar #aliga, mas na hora de falar de processo judicial, meu nome e foto saem na manchete. 

Escrito por Nelson de Sá às 10h11

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rupert Murdoch entre nós

A britânica Pearson, dona de "Financial Times" e "Economist", e a espanhola Prisa, do "El País", já estão no Brasil, por enquanto, na área de educação e livros didáticos. E a "Veja" informa que a americana News Corp., de "Wall Street Journal" e muito mais, "contratou um headhunter para selecionar executivos para lançar uma versão brasileira da Fox News", além do Fox Sports.

Escrito por Nelson de Sá às 09h27

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rebeldes avançam em Trípoli e declaram vitória

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

A OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, anuncia que "caiu o crescimento" de seus integrantes _EUA, Europa e Japão_ para 0,2% no segundo trimestre, contra 0,3% no primeiro, informa o "WSJ". "As nações em desenvolvimento China, Brasil, Índia e Rússia não estão incluídas" na OCDE.

Já o "CD" publica artigo dizendo que a "China ainda está a todo vapor", apesar do baixo crescimento das economias desenvolvidas. Mas agora o país "terá de depender ainda mais de uma combinação de mais demanda interna com crescimento de outras economias em desenvolvimento", como Brazil, Índia e México.

O jornal chinês noticia que as "exportações de automóveis crescem, mas os números ainda são modestos". Houve "especial crescimento na América do Sul" e "muitas das exportações foram para o Brasil". Acrescenta que a "Chery se entricheira para o longo prazo no Brasil", disposta a margens pequenas de lucro dos produtos de sua fábrica em construção em Jacareí, buscando 3% do mercado.

A coluna Lex, do "FT", aborda "frustrações" dos investidores com a Petrobras, culpando "preocupações com a mão pesada do Estado" pela queda nas ações. Mas anota que "é preciso uma grande dose de pessimismo sobre os preços do petróleo _e na verdade sobre todo o clima de investimento no Brasil_ para ignorar potencial tão grande com preço tão baixo".

O "FT" fala em "reversão da fuga de talentos", com "brasileiros atraídos de volta para casa por melhores perspectivas", após "descobrirem que seu futuro pode ser melhor no Brasil do que na Europa e nos EUA assolados por crise".

O "CD" reproduz reportagem de Simon Romero, novo correspondente do "NYT" no Brasil, sobre a "corrida para a terra do martini de US$ 35", mostrando os profissionais de países como EUA e outros que vêm se estabelecendo no país.

Em seu caderno de viagem, o "WSJ" perfila "São Paulo, beleza brasileira", sem as "praias e biquinis" do Rio, mas uma "megatrópolis feliz, com estilo sofisticado e uma rica cultura influenciada por imigrantes de todo o mundo". Publica as dicas de Rogério Fasano, Alex Atala e Erika Palomino.

"NYT", "CD" noticiam os três gols de Oscar, em "hat trick", na final do mundial sub 20.

Escrito por Nelson de Sá às 08h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

EUA dizem que Gaddafi deve deixar a Líbia já

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h04

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nelson de Sá Nelson de Sá é articulista da Folha de S.Paulo.
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.