Nelson de Sá

Toda Mídia

 

Atentados contra esquerda matam na Noruega

Escalada do "Jornal Nacional":

Uma bomba na sede do governo; um atirador em uma reunião de jovens do partido governista. Dois atentados na Noruega deixam 17 mortos. Estados Unidos: Barack Obama diz que fracassaram as tentativas de acordo para evitar o calote na dívida. Brasil: a crise no Ministério dos Transportes derruba mais um diretor do Dnit, o único ligado ao PT. Congresso ignora tribunal de contas e autoriza obras condenadas por irregularidades. Mulher morre após receber glicerina em vez de soro em hospital do Ceará. Maus hábitos podem aumentar os casos de diabetes no Brasil. A festa da fé, em Juazeiro do Norte: a cidade abençoada pelo padre Cícero completa cem anos. 

E do "Jornal da Record":

Abuso de autoridade: policial agride e prende mulher dentro de casa. Cobrança sem precedente: Irlanda acusa o Vaticano de acobertar crimes sexuais de sacerdotes. Dia de terror: bombas e atirador deixam dezenas de mortos na Noruega. Corrupção nos Transportes: diretor do Dnit pede demissão. Caminhão invade ponto de ônibus e mata quatro pessoas. Fiança de R$ 54 milhões mantém pistoleiro na cadeia. 

O blog volta a ser atualizado na segunda.

Escrito por Nelson de Sá às 22h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Site sobe e papel desce, no "New York Times"

No "New York Times", "Otimismo no plano digital, mas NYT Co. tem perdas".

O texto destaca que as assinaturas para acesso ao site atingiram 224 mil pagantes, "sinal de que a estratégia digital está funcionando até aqui". O jornal adotou acesso pago há quatro meses. Paralelamente, as assinaturas para acesso via e-readers como Kindle e Nook atingiram 57 mil.

Mas a empresa perdeu US$ 119,7 milhões de seu valor no segundo trimestre, devido à desvalorização de seus jornais regionais. A NYT Co., que abrange também "Boston Globe" e outros, registrou 4% de queda em publicidade (menos 6,4% em anúncios impressos, mais 2,6% em anúncios on-line).

No All Things Digital, site ligado ao concorrente "Wall Street Journal", "Dólares de publicidade do 'NYT' ainda estão encolhendo, mas as assinaturas digitais parecem estar funcionando".

Por outro lado, o jornal criado em janeiro por Rupert Murdoch só para iPad, The Daily, patina e já lança "nova versão", informa o site paidContent. Em resposta às reclamações sobre o aplicativo, anunciou "a versão mais rápida e melhor até agora".

Escrito por Nelson de Sá às 12h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na contramão dos países desenvolvidos

Na Folha, "Circulação de jornais sobe 4,2% no semestre", em relação ao primeiro semestre do ano passado. Foi registrada média diária de 4,4 milhões de exemplares, "recorde em 50 anos", desde que surgiu o levantamento do Instituto Verificador de Circulação (IVC).

Os mais vendidos são Folha (305.522), que subiu 5%, "Super Notícia" (301.909), "O Globo" (264.382), "O Estado de S. Paulo" (252.999) e "Extra" (235.541). Os títulos populares têm puxado o crescimento, diz o IVC:

A circulação no Brasil vem crescendo, em movimento contrário ao dos países desenvolvidos, porque há inclusão de novos leitores. Isso ocorre com a redução no analfabetismo, assim como pelo aumento do poder aquisitivo da população.

Escrito por Nelson de Sá às 09h39

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Murdoch contra Murdoch

Em seu primeiro furo na cobertura do escândalo, ecoando até na manchete do "Guardian", o "Wall Street Journal", de Rupert Murdoch, informa que o Departamento de Justiça dos EUA "prepara intimações no inquérito sobre a News Corp." e o tabloide "News of the World", também de Murdoch.

É parte da "investigação preliminar sobre o suposto pagamento de propina no exterior e sobre o suposto grampo de mensagens de voz de vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001".

Escrito por Nelson de Sá às 09h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama e republicanos mais próximos de acordo

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

Escrevendo no "NYT", Uwe Reinhardt, professor de Princeton, destaca relatório do Council on Foreign Relations sobre "Globalização e Desemprego", que mostra que as indústrias de ponta em tecnologia criam empregos com altos salários nos EUA, mas poucos de renda média para baixo. "Um problema para os EUA é que os emergentes, notadamente China, Brasil e Índia, parecem prontos a subir na cadeia de valor para os segmentos antes mantidos nas economias desenvolvidas."

Em longa "exclusiva", o "WSJ" destaca que para José Graziano, novo presidente da FAO, organização da ONU para alimentação e agricultura, "o programa brasileiro oferece modelo para lutar contra a fome mundial". E o "FT" relata de Lauro de Freitas, na Bahia, como funcionam os 89 "restaurantes populares" criados pelo governo com as prefeituras, como parte do programa.

De Londres, o "FT" informa que o anúncio de corte na produção de cana "pela primeira vez na década", feito pela Unica, lobby do setor no Brasil, já aumenta os preços internacionais do açúcar.

Do Rio, o "WSJ" vê o "Brasil dividido sobre as novas riquezas do petróleo". Os "Estados ricos" de Rio, São Paulo e Espírito Santo confrontam seus "Estados irmãos mais fracos". E podem "adiar por anos" o plano do país para desenvolver as reservas e usar os recursos para "tirar milhões da pobreza".

O "CD" noticia o crescimento na exportação de produtos aquáticos pela província de Shandong, para Japão, Brasil e outros, efeito do terremoto que afetou a produção japonesa.

No "NYT", o ex-correspondente Larry Rohter entrevista Marcelo D2 e Mikael Mutti, do grupo baiano Mundo Novo, para apresentar o "eclético" Brasil Summerfest, novidade entre os festivais de verão de Nova York, que terá também Pitty, DJ Nuts e outros.

Escrito por Nelson de Sá às 08h40

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Alemanha e França levam Grécia ao calote

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h01

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Alívio. Europa fecha acordo de ajuda à Grécia

Escalada do "Jornal Nacional":

Alívio na Europa: países da zona do euro fecham mais um acordo de ajuda financeira à Grécia. Presos no Rio os quatro PMs envolvidos na morte do menino Juan. A crise no Ministério dos Transportes: depois das denúncias do "Jornal Nacional", ministro Paulo Bernardes diz que, com tanto dinheiro no orçamento, é impossível não haver problemas no Dnit. Chuvas provocam alagamentos e deixam desabrigados no Rio Grande do Sul. Onda de calor mata mais de 20 pessoas nos Estados Unidos. O Chile sofre com as maiores nevascas dos últimos 30 anos. O campeão olímpico César Cielo tem julgamento favorável no caso do doping. A campanha surpreendente do Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro. O fim de uma era: nave Atlantis realiza na Flórida o último pouso de um ônibus espacial. 

E do "Jornal da Record":

Horror da pedofilia: idosos são presos por abusar de meninas no sertão. Mulher sofre ataque em estação do metrô. Amigo de Bruno confirma que sangue no carro do goleiro era de Eliza Samúdio. Ex-ídolo do Corinthians é preso por não pagar pensão alimentícia. Operários são soterrados em obra de universidade. Cielo leva advertência por doping e vai disputar o mundial aquático. Europa faz acordo para conter a crise grega. Os talentos do maior festival de dança do mundo.

Escrito por Nelson de Sá às 21h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O triunfo e a agonia

No editorial "Lulismo vs. Chavismo", com chamada de capa, a nova edição da "Economist" proclama o "triunfo do modelo brasileiro", da "fórmula" de Lula de "casar uma economia capitalista globalizada com esforços vigorosos do governo para atacar as raízes profundas da desigualdade".

O alvo é Hugo Chávez, mas a revista liberal acrescenta que "há limites também" para Lula, questionando o tamanho do Estado e sua "generosidade fiscal".

Por outro lado, na manchete e no primeiro editorial, com o enunciado "Último dos magnatas", a "Economist" defende que "Rupert Murdoch é o último membro de uma raça agonizante" e "é hora de ele recuar", entregar o comando.

A revista diz que a maioria das famílias de mídia já deixou a administração cotidiana. Que virão outros "construtores de impérios de mídia", como Michael Bloomberg em Nova York ou os que "estão aparecendo no mundo emergente":

"Mas a era do magnata global terminou."

Escrito por Nelson de Sá às 13h51

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Android avança, mas não tem rival para iPad

A consultoria Strategy Analytics divulgou que a expedição global de tablets somou 15,1 milhões no segundo trimestre, alta de 331% em um ano.

A Apple continua na frente com 61%, mas perdeu participação no mercado, que era de 94% no segundo trimestre de 2010, "devido ao número crescente de plataformas concorrentes", que usam o sistema operacional Android, do Google. De Neil Mawston, diretor da Strategy Analytics:

O Android conseguiu 30% de participação. Vários modelos Android, em diversos países e produzidos por marcas como Samsung, Acer, Asus Motorola e outros, estão impulsionando vendas. No entanto, nenhum oferece ainda um modelo de sucesso de massa que rivalize com o iPad. Se a Amazon entrar na categoria Android até o fim do ano, isso trará excitação e "buzz" à comunidade Android, mas a Amazon terá de oferecer um produto realmente excelente para avançar sobre o popular iPad.

Escrito por Nelson de Sá às 12h11

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

No mês que vem, os primeiros tablets

Em entrevista à TV estatal, via G1, Tele.Síntese e outros, o ministro das Comunicações diz que nove empresas se cadastraram e "algumas já começarão a produzir os tablets em agosto". Prevendo corte de 36% nos preços, avalia que "no fim do ano vai bombar a venda". De Paulo Bernardo:

A presidente Dilma tem nos cobrado que todos esses programas precisam ter a preocupação com a produção de conteúdo nacional.

Escrito por Nelson de Sá às 11h46

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A guerra dos jornais

Na edição de hoje, escrevo sobre a liderança de "Guardian" e "New York Times", concorrentes de jornais de Rupert Murdoch em Londres e Nova York, na cobertura que levou à revelação dos crimes do "News of the World". E registro estudo sobre a crescente concorrência entre "NYT" e "Wall Street Journal", desde que o magnata comprou o segundo, quatro anos atrás.

O "Washington Post" sai hoje com reportagem sobre a articulação entre o "Guardian" e o "NYT", para a cobertura no último ano e meio.

E o próprio "Guardian" posta que seu concorrente "Times" de Londres, jornal de Murdoch, viu suas vendas caírem em 20 mil exemplares por dia, na semana passada, "atingido pelo escândalo dos grampos, enquanto o 'Guardian' aumentou circulação", segundo estimativas não oficiais.

Escrito por Nelson de Sá às 10h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Wall Street se prepara para o pior. Europa se acerta

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

"NYT" e "CD" destacam a pressão de EUA, Alemanha e outros países desenvolvidos para que o Conselho de Segurança aprove o aquecimento global como ameaça à segurança internacional. E a resistência de Rússia, China e outros países emergentes, inclusive índia, Brasil e África do Sul, a envolver o órgão na questão. A representante dos EUA acusou a atitude dos Brics de "patética".

O "WSJ" alerta as empresas de países desenvolvidos para o "alto custo", como gastos maiores que os planejados, de se mudarem para emergentes como "China, Índia e Brasil".

No "CD", a Argentina criou um fórum permanente para estudar a economia e a integração com a China, "segundo maior parceiro do país, depois do Brasil".

No Peru, Ollanta Humala indicou "defensores do livre mercado" para os cargos-chave de primeiro-ministro e ministro das finanças, com nomes que o ajudaram a adotar o "modelo de centro-esquerda do Brasil" na campanha, informa o "FT".

O correspondente do "FT" em São Paulo publica texto sobre uma "história de duas classes médias" no Brasil, com a ascensão da "nova", sob Lula, mas com perdas da "tradicional", de São Paulo.

O "FT" noticia a alta dos juros básicos no Brasil, mas com a perspectiva de encerrar a fase de elevação.

Escrito por Nelson de Sá às 09h27

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Vale & Petrobras, em megaprojeto estratégico

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h59

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Murdoch & Brasil

De James Murdoch, filho de Rupert, três meses atrás, ao "Valor":

Todos ao redor do mundo veem como o Brasil está crescendo e como esse bom desempenho coloca o país como um dos grandes mercados. Para nosso negócio de TV, o país está ganhando importância. 

No momento, a News Corp., que chegou a ter o controle da operadora de satélite Sky, só tem uma sociedade com a Globosat.

Escrito por Nelson de Sá às 13h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Avatar de Lula

De Dilma Rousseff para o próprio ministro, fazendo "piada da avaliação de que Gilberto Carvalho é a sombra de Lula em seu governo", segundo o Painel:

Se você é o avatar de Lula, eu sou o quê?

Mas Lula "manifestou a interlocutores temer que Dilma se isole da base", com "o rito sumário nas demissões" e seu "temperamento".

Escrito por Nelson de Sá às 12h27

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Publicidade em mãos inglesas, francesas, americanas

O "Meio & Mensagem" destaca que, com a compra de DPZ e outras agências, o grupo francês Publicis saltou para o segundo lugar no ranking brasileiro da compra de mídia, segundo o índice Agência & Anunciantes, com R$ 2,2 bilhões, contra R$ 3,8 bilhões do grupo inglês WPP. Em terceiro e quarto, os americanos Omnicom (R$ 1,65 bilhão) e Interpublic (R$ 1,61 bilhão):

A disputa pelo Brasil é reflexo das estratégias que focam novas tecnologias e mercados emergentes.

Escrito por Nelson de Sá às 11h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornalismo e os negócios

Hoje é dia do primeiro-ministro David Cameron, aliado de Rupert Murdoch, na "grelha" do parlamento britânico. No destaque do "Guardian", ele "se recusou a negar que tenha discutido a compra da BSkyB com executivos da News".

O jornal publicou artigo de Jay Rosen, professor de jornalismo da New York University e blogueiro do PressThink, dizendo que "as organizações de Murdoch não estão no negócio de notícias, o que buscam é influência".

E o jato de Murdoch deixou Londres, com transmissão ao vivo pela BBC. Antes, determinou o fim dos pagamentos ao detetive que grampeava para o "News of the World", maior revelação da audiência de ontem.

Aqui, minha crítica da performance de Murdoch, na Folha.

Escrito por Nelson de Sá às 10h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"O dia mais humilde da minha vida"

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

"NYT", "FT" e "WSJ" informam que a "performance estelar da Apple" prosseguiu graças ao avanço nos emergentes. "Consumidores de China, Brasil e Oriente Médio tiveram um grande em aumentar as vendas de iPhone, diz a Apple."

O "WSJ" reporta de Jacareí que a montadora chinesa Chery iniciou ontem a construção de sua primeira fábrica no Brasil, "na esperança de aumentar sua participação no quarto maior mercado de automóveis do mundo".

O "FT" reporta de São Paulo que Mitsui e Dow Chemical planejam "construir no Brasil a maior operação biopolímera do mundo, usando etanol de cana para produzir bioplásticos, para empacotamento". O investimento "é parte de um esforço das gigantes de petróleo e petroquímica para entrar na indústria de etanol do Brasil", citando a compra da Cosan pela Shell.

O "CD" noticia de Guangdong que a empresa chinesa de iluminação NVC planeja aquisição na Europa e "está investindo ativamente nos emergentes Índia, Brasil e África do Sul", segundo seu presidente, Wu Changjiang.

O jornal também publica artigo de Carl Scharamm, da fundação Kauffman, sobre o boom de "empreendedorismo" nos emergentes e "até na África". Entre os exemplos, cita que a "Natura ultrapassou Avon no Brasil" e avança pela América Latina.

Em artigo, o editor de América Latina do "FT", John Paul Rathbone, credita o crescimento dos protestos na Europa e da extrema direita nos EUA ao empobrecimento da classe média. E destaca que "as novas classes médias de Índia, China e Brasil" trazem novas demandas à mesa, exemplificando com as manifestações no Chile, que derrubaram metade do ministério.

Mas Joseph Nye, professor de Harvard, volta a escrever que os Brics não são "um bloco político efetivo", capaz de "desafiar o poder dos EUA". No "WSJ", cita como exemplo a dificuldade em concordarem sobre um candidato para dirigir o FMI. Diz que que seu fórum é só para "beliscar as penas do rabo da águia" americana.

E o "NYT" publica que, com a derrota na Copa América, o Brasil "flerta com o futebol comum".

Escrito por Nelson de Sá às 09h55

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Faxina, faxina, faxina

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 09h33

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A valorização do salário das empregadas

Escalada do "Jornal Nacional":

A crise no Ministério dos Transportes. O governo demite mais seis funcionários, todos indicados pelo PR. Já são 12 os afastados desde que começaram as denúncias de corrupção. Pesquisa mostra a valorização do salário dos empregados domésticos. A polícia prende 22 africanos que levavam cocaína no estômago para o exterior. Na Inglaterra, os envolvidos no escândalo dos grampos depõem no parlamento. O empresário Rupert Murdoch, dono de jornal acusado, diz que nunca soube de nada. Peritos confirmam que o ex-presidente Salvador Allende se matou durante golpe militar no Chile. Uma nuvem gigantesca de areia encobre uma cidade nos Estados Unidos. Na avenida mais famosa de São Paulo, uma exposição de arte eletrônica desafia a participação do público. Você vai conhecer mais uma atração do Rock in Rio. 

E do "Jornal da Record":

Pai abraça filho e tem a orelha decepada. Os agressores acharam que eles eram gays. Efeitos do clima. Poluição do ar atinge nível máximo no litoral paulista. Tempo seco aumenta espuma no rio Tietê. Onda de calor mata nos Estados Unidos. Escândalo na Esplanada. Suspeita de corrupção derruba mais seis funcionários no Ministério dos Transportes e no Dnit. Tecnologia do campo. A quarta edição de "A Fazenda" sai na frente. É o primeiro reality transmitido em alta definição.

Escrito por Nelson de Sá às 20h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Eles sobreviveram

De David Carr, analista de mídia do "New York Times", em vídeo, resistindo admitir a vitória de Rupert e James Murdoch, na batalha de hoje:

Eles sobreviveram. Não sei se construíram a base em que a News Corp. possa se sustentar. Foi um espetáculo ver um dos maiores titãs da mídia sendo trazido para baixo.

Escrito por Nelson de Sá às 18h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sob o foco severo, uma performance hesitante

A audiência prossegue, agora com Rebekah Brooks.

O "Guardian", sobre o espetáculo até aqui, destaca que "Rupert Murdoch ofereceu performance hesitante diante dos parlamentares, mas o filho admitiu ter contribuído para os custos legais do investigador" que grampeava telefones para o "News of the World".

O "New York Times" é seco na manchete, "Murdoch diz que principais executivos não sabiam dos grampos de telefone". No texto da reportagem, ressalta que um homem tentou atingir Mudoch com algo semelhante a uma torta, um prato de papel coberto com creme de barbear.

E anota que "a audiência ofereceu o espetáculo notável de um dos mais poderosos magnatas de mídia sob o foco severo do escrutínio público".

Escrito por Nelson de Sá às 13h55

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Murdoch Live

Começou a audiência com Rupert Murdoch, 80, o filho James e Rebekah Brooks no parlamento britânico. Ao vivo por BBC, Channel 4 e com live blogging e vídeo da ITN no "Guardian".

Por enquanto, nada de transmissão por Sky News e Fox News, ambas de Murdoch. O site da Fox News destaca notícia "exclusiva" sobre operação do FBI contra o "notório" grupo de hackers Anonymous, em Nova York.

Via "Wall Street Journal", a audiência na Fox Business, também de Murdoch.

Também transmitindo ao vivo, a Bloomberg despachou em reportagem que "a News Corp. está considerando elevar o executivo-chefe de operações [chief operating officer] Chase Carey a presidente executivo [chief executive officer], sucedendo Murdoch, dizem pessoas com conhecimento da situação". O magnata continuaria como presidente [chairman].

Mas ainda não foi tomada uma decisão, que "depende do desempenho de Murdoch diante do parlamento hoje", segundo as fontes. Nos ensaios, "o modo como lidou com perguntas causou preocupação".

Escrito por Nelson de Sá às 09h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Investidores correm para ouro e franco suíço

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

A Alemanha é "o centro da economia europeia, mas a Europa não é mais tão central para a Alemanha", destaca o "NYT". As empresas alemãs, "em vez de França e Itália, estão mandando cada vez mais euros para Polônia, Rússia, Brasil e especialmente China".

No "CD", a chinesa Bomco, subsidiária da estatal CNPC, fechou "joint venture" com as brasileiras BRCP e Asperbras para produzir, em Salvador, na Bahia, equipamentos para exploração de petróleo e gás. No "FT", sob o título "Russos na floresta tropical", pela primeira vez uma grande empresa russa de petróleo, a TNK-BP, vai operar uma concessão no Brasil, na Amazônia.

Também no "CD", a presidente Dilma declarou em seu programa de rádio que a produção de submarinos é "estratégica tanto para a defesa como para o crescimento econômico".

O "WSJ" destaca o lançamento de "Red Hot and Rio 2", que reuniu músicos de EUA e Brasil na gravação de clássicos da Tropicália.

Escrito por Nelson de Sá às 09h03

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Crise grega ameaça bancos europeus

 

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 08h35

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

No escândalo dos grampos, demissão e morte

Escalada do "Jornal Nacional":

As chuvas de inverno. Aumenta o número de vítimas no Nordeste: 27 cidades da Paraíba decretam estado de emergência. Região serrana do Rio: denúncias de corrupção envolvendo desvio de verbas em uma das cidades mais atingidas pela enxurrada no início do ano. O escândalo dos grampos derruba o número 2 da Scotland Yard, a polícia metropolitana de Londres. Surge uma nova proposta para evitar o calote da dívida dos Estados Unidos. A polícia investiga relatos dos pilotos da empresa do avião que caiu no Recife. O Inmetro cria regras para fabricantes de berços. Depois da eliminação na Copa América, Mano Menezes diz que a seleção vai chegar mais decidida à Copa de 2014. Recurso da Fórmula 1 pode aumentar a segurança nas estradas brasileiras.  

E do "Jornal da Record":

Arrastão no Rio: bandidos saqueiam hóspedes em hotel de luxo de Santa Teresa. Jovem é morto no cativeiro por amigo de infância. Consumo de drogas no centro de Belo Horizonte assusta moradores. Família que voltava de piquenique é arrastada por enxurrada. Jornalista que denunciou grampos na Inglaterra é encontrado morto. O talento dos outros: enquanto seleção erra pênalti, jogador árabe marca de calcanhar.

Escrito por Nelson de Sá às 23h45

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

LulzSec vs. Rupert Murdoch

O grupo de hackers LulzSec, que havia anunciado sua dissolução, voltou à cena há pouco e hackeou a home page do "Sun", o tabloide de Rupert Murdoch para os dias de semanas, nas bancas de Londres.

Inicialmente, a home enviava para uma página com a "notícia" de que o corpo do próprio magnata havia sido encontrado (acima). Neste momento, envia para o perfil de Twitter do LulzSec, com posts que comemoram o sucesso na operação contra o "Sun".

Escrito por Nelson de Sá às 19h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O primeiro corpo

O "Guardian" abre manchete neste momento para a notícia de que foi encontrado morto "o ex-repórter de showbiz do 'News of the World' que foi o primeiro jornalista a dizer que Andy Coulson", ex-editor-chefe do jornal e assessor de comunicação do primeiro-ministro David Cameron até janeiro deste ano, "sabia dos grampos de telefone" e os estimulava.

A morte está sendo tratada como "inexplicada, mas não suspeita" pela polícia inglesa, que encontrou Sean Hoare ainda vivo, em sua casa.

Acionistas da News já questionam se Rupert Murdoch deve se manter no comando da corporação, informa a Bloomberg, dizendo que ele se debate para reagir à ameaça de perda do controle.

E o "Guardian" postou em vídeo o dominó que derrubou seus principais executivos, da arrogância à demissão e à prisão, inclusive Andy Coulson:

Escrito por Nelson de Sá às 13h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

E tome novela, contra a Record

Lauro Jardim informa que a novela das 23h, "O Astro", registrou audiência 50% maior para a Globo em Rio e São Paulo na semana passada, no horário:

O desafio agora é manter o bom resultado a partir de amanhã, com a estreia de 'A Fazenda' na Record".

Na edição de ontem, publiquei análise contrastando o abandono das "soap operas" pelas grandes redes americanas com o apelo crescente às telenovelas pela Globo, sem outra alternativa para chegar à classe C.

Escrito por Nelson de Sá às 11h18

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O fim de um jornal

Ontem, publiquei reportagem sobre a disputa pelos leitores e anunciantes do "News of the World", por parte dos três tabloides sensacionalistas ou "red top" que restaram nas bancas de domingo, em Londres, "Sunday Mirror", "The People" e "Daily Star Sunday".

Via PressGazette, um vídeo com fotos da redação que preparava a última edição do jornal de maior tiragem no Reino Unido, uma semana antes:

Na sexta, informa o PressGazette, completam-se seis anos do assassinato de Jean Charles de Menezes pela Polícia Metropolitana ou Scotland Yard.

O número de um primo de Jean Charles foi encontrado entre os documentos de um dos grampeadores do "News of the World". A campanha Justice4Jean enviou carta ao primeiro-ministro cobrando que o inquérito sobre o escândalo inclua a investigação do assassinato, que isentou a própria polícia.

Escrito por Nelson de Sá às 10h23

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cameron vai cair?

Ao se demitir ontem, pressionado por ter contratado como assessor de comunicação um ex-editor do "News of the World", o chefe da Polícia Metropolitana ou Scotland Yard, sob investigação pelo vínculo com o império de mídia de Rupert Murdoch, sublinhou que o primeiro-ministro David Cameron também havia contratado o ex-editor-chefe do tabloide, Andy Coulson. Foi o que destacaram "Guardian" e "Financial Times".

Cameron disse depois que não há como comparar os dois casos, mas já encurtou viagem ao exterior e solicitou adiamento do recesso de versão para falar ao parlamento depois de amanhã.

Na notícia do dia, caiu agora o número 2 da Scotland Yard.

E aumenta a expectativa com o depoimento de Rupert e James Murdoch, amanhã também no parlamento. Nick Davies, o repórter que persistiu no caso por anos, até a reportagem que iniciou há duas semanas o escândalo, sugere as perguntas a serem feitas pelos parlamentares.

Nos EUA, o "Wall Street Journal", também de Murdoch, tenta conter o escândalo com editorial argumentando que "os excessos de um tabloide não mancham milhares de outros jornalistas". Questiona a "mídia liberal" por querer "convidar o Congresso e os procuradores a regular como os jornalistas obtêm notícias". De passagem, defende Les Hinton, que era o publisher do "WSJ" e antes do "News of the World", demitido na sexta.

No "New York Times", por outro lado, o colunista David Carr questiona a "cultura corporativa" de todo o império de Murdoch, que esconde os erros e permite sua proliferação, até o crime.

Escrito por Nelson de Sá às 10h06

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Chefe da polícia cai e pressiona primeiro-ministro

 

Para as edições, NYT, CD, WSJ e FT. Para os sites, NYT, CD, WSJ e FT.

O "FT" noticia que o Departamento de Justiça dos EUA elevou a pressão contra estatais de emergentes, Brasil inclusive, com base na legislação anticorrupção estrangeira.

Caiu o investimento direto externo na China em junho, mas "não há razão para se preocupar", diz o "CD", pois investidores americanos e europeus também vêm reduzindo participação nos outros emergentes, "inclusive Brasil e Índia".

Na capa do "FT", o câmbio valorizado seduz os jogadores brasileiros que estão no exterior e segura as jovens estrelas no país.

O presidente do grupo alemão de mídia Bertelsmann, Hartmut Ostrowski, com presença em televisão, indústria fonográfica e livros, diz em entrevista ao "FT" que vai priorizar "mercados de crescimento como Brasil, China e Índia".

De saída como correspondente do "NYT", Alexei Barrionuevo informa a morte de Juan María Bordaberry, pecuarista que liderou o golpe que levou à ditadura no Uruguai em 1973.

Escrito por Nelson de Sá às 09h36

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

São Paulo empurra favelas para outras cidades

Para as edições, FSP/índice, VE/índice, OG e ESP. Para os sites, FSP, VEOG e ESP.

Escrito por Nelson de Sá às 09h21

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nelson de Sá Nelson de Sá é articulista da Folha de S.Paulo.
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.