Nelson de Sá

Toda Mídia

 

Sequestro, tortura, assassinato, crimes bárbaros

Escalada do "Jornal Nacional" de 28.5:

Sequestro e tortura na África do Sul. Golpistas atraem um empresário paraense para o país da Copa.
Um prêmio de loteria, e um homem encomenda a morte do filho que exigia a divisão do dinheiro.
Procura-se. Um ladrão de carros de luxo desafia a polícia de três Estados.
Pernambuco. Presos voltam a exibir armas e usar celulares no dia seguinte a uma varredura.
Economistas apontam um dos maiores obstáculos para o crescimento do Brasil.
Surge um instrumento poderoso para fiscalizar gastos dos governos.
O descarrilamento de um trem mata mais de cem pessoas na Índia.
Barack Obama visita uma área atingida pelo óleo que vaza no Golfo do México.
Na África do Sul, Kaká volta a treinar com bola pela primeira vez desde que se apresentou. 

Do "Jornal da Record":

Quanto vale a vida? Vítimas são assaltadas, não reagem e mesmo assim são assassinadas.
Crimes bárbaros e contra uma menina de seis anos. Ela sofre abuso sexual do tio e depois é enterrada viva.
Por alguns milímetros. Policial abaixa e consegue se esquivar de tiro.
Rodrigo Maia é acusado de receber propina no esquema de corrupção do ex-governador Arruda.
Geração digital. Jovem foge de casa, e irmã menor descobre esconderijo pela senha do computador. Estudantes marcam brigas e divulgam na internet.
O poder da água. Nossos repórteres mostram por que o mar Morto é vida.
Direto da África do Sul, as notícias da Copa. Seleção treina, e goleiro reprova a bola. "Horrível." O cativeiro onde o empresário brasileiro passou dois dias sequestrado. 

E do "SBT Brasil":

Pai é acusado de encomendar o assassinato do filho que ganhou o prêmio milionário da Mega Sena.
Empresário brasileiro é atraído para um falso negócio na África do Sul e torturado por sequestradores.
O Brasil faz o primeiro treino no país da Copa. O goleiro da seleção reclama da bola. "É horrível, eu falei, é horrorosa... Muito ruim, parece aquelas que você compra em supermercado." A corneta que incomoda a Fifa é o maior sucesso no comércio do Rio. Para não faltar cerveja na Copa, o Brasil vai importar um bilhão de latinhas.
Em uma única madrugada, acidentes de trânsito matam sete jovens no Rio Grande do Sul.
Em São Paulo, começa a fiscalização contra o barulho dos helicópteros.
O governo da Bolívia é responsável pela entrada e venda de cocaína no Brasil? José Serra diz que sim, Dilma Rousseff diz que não.
Um vulcão provoca mortes e fecha aeroporto da cidade da Guatemala.
A primeira travessia do Canal da Mancha com balões de gás. 

A coluna e o blog voltam na segunda-feira.

Escrito por Nelson de Sá às 00h53

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bom amigo

A enviada da BBC Brasil à Colômbia, Claudia Jardim, informa que, "em política internacional, a grande surpresa da eleição, Antanas Mockus, tem dito que restabelecerá o diálogo com Hugo Chávez e que seguirá o exemplo de Lula para lidar com governos antagônicos".

Do próprio Mockus, que chega domingo à eleição empatado com o candidato de Álvaro Uribe, Juan Manuel Santos, à BBC:

O presidente Lula conseguiu exatamente isso: Ser bom amigo de Chávez, bom amigo de Rafael Correa e ser bom amigo dos presidentes americanos, incluindo Bush e Obama.

Ainda que este último se revele, como destaca editorial da Folha, "um presidente que age cada vez mais com duas caras".

Escrito por Nelson de Sá às 11h55

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ataque e defesa

Do Panorama Político, no "Globo":

Serra foi a estrela do DEM, ontem. Dia 10, vai estar no horário do PPS. O PSDB usará sua rede do dia 17 para mostrar a trajetória de Serra. Os tucanos ainda terão os dez minutos do PTB, dia 24. A coordenação política quer que o marqueteiro Luiz González faça um programa para descontruir Dilma. 

Por outro lado:

Dilma terá, em junho, inserções nos Estados de São Paulo, Minas, Rio, Bahia, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Sul e Paraná.

Escrito por Nelson de Sá às 11h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obrigado

Janio de Freitas, sob o título acima:

Aécio Neves fez uma gentileza às senhoras e aos senhores ouvintes e leitores de jornal. Fez também uma perversidade com os jornalistas que, muito mais do que o comando do PSDB, multiplicaram expectativas e apelos a Aécio para curvar-se à vice-presidência de José Serra. O ponto final (sic) posto por Aécio nessa lenga-lenga jornalística é, antes de tudo, motivo de agradecimento.

No texto da capa do "Estado de Minas" de hoje, "de novo sob forte pressão, Aécio Neves pôs um ponto final" e "classificou as acusações de falta de patriotismo como piada".

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hillary tem divergências "muito sérias" com Lula

 

Para as edições, FSP (índice), VE (índice), ESP e OG. Para sites, FSP, VE, ESP e OG.

Escrito por Nelson de Sá às 10h05

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Greve nas fábricas da Honda na China, por salário

 

Para as edições, NYT, WSJ, CD e FT. Para sites, NYT, WSJ, CD e FT.

Escrito por Nelson de Sá às 09h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Como evitar o segundo mergulho da recessão

Para as edições, Time e Economist. Para sites, Time e Economist.

Escrito por Nelson de Sá às 09h20

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama diante dos Brics

Leia a coluna "Toda Mídia" de hoje com links. Na Folha digital, à pág. A12.

Escrito por Nelson de Sá às 09h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Terror no supermercado

Escalada do "Jornal Nacional":

Adriano diz adeus ao Flamengo e parte para uma nova temporada no futebol italiano.
A menina baleada em um tiroteio no Rio de Janeiro está fora de perigo.
Presos os suspeitos de assassinarem um delegado durante uma entrevista na Bahia.
Um homem armado com uma faca mata uma pessoa e fere duas em um supermercado de São Paulo.
O presidente Lula e o primeiro-ministro da Turquia voltam a defender o acordo nuclear com o Irã. A secretária de Estado Hillary Clinton diz que Estados Unidos e Brasil têm discordâncias muito sérias sobre o programa iraniano.
Avança o processo para cassar o mandato de uma deputada envolvida no mensalão do DEM de Brasília.
Vistos de turistas para os Estados Unidos passam a valer por dez anos.
Cientistas criam um vírus artificial da Aids.
O combate à mancha de óleo no Golfo do México tem um dia de progresso. 

Do "Jornal da Record":

Terror na hora das compras. Homem pega faca, mata e fere clientes de supermercado.
Vestida para roubar. Mulher se passa por freira para sacar quase R$ 2 milhões e é presa na boca do caixa.
Clínica de recuperação de viciados é fechada após denúncia de castigo físico.
Provocação entre vizinhos. Coreia do Sul faz exercício militar no mar e enfurece norte-coreanos.
Mancha de corrupção. Obama admite que fiscais favoreceram empresas de petróleo e proíbe novas perfurações no Golfo do México.
Na reportagem especial, a água que chega do céu e muda a vida do sertanejo.
Roma tem novo imperador. Direto da África do Sul, as notícias da Copa. 

E do "SBT Brasil":

Horror no supermercado. Um homem rouba uma faca, rouba um comerciante e fere duas pessoas.
Uma religiosa descobriu que estava milionária depois que uma falsa freira tentou sacar o dinheiro.
Para a polícia da Bahia, o delegado assassinado quando dava entrevista foi vítima de assalto.
Na África do Sul, o técnico Dunga disse que os jogadores estão liberados para fazer sexo nas folgas. Os robôs que ajudaram a criar a bola da Copa.
O padre que comandava a igreja no Rio é preso por abusar do coroinha.
Hillary Clinton diz que Brasil e Estados Unidos têm sérias divergências em relação ao acordo nuclear do Irã. Em Brasília, o presidente Lula e o primeiro-ministro da Turquia voltam a criticar o governo Obama.
A Justiça Eleitoral proíbe o casal Garotinho de se candidatar nos próximos três anos.
As mulheres que querem o direito de engravidar com sêmen do marido que morreu.

Escrito por Nelson de Sá às 21h54

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Antes do horário eleitoral, o rádio

No "Globo", Silvia Amorim informa que, "na era dos blogs e das redes sociais, a corrida por popularidade tem levado ao tradicional rádio".

Em dois meses, Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva "já participaram de 53 programas". O tucano "é o campeão", com 21. A verde tem 18. A petista, 13. Nas entrevistas, "temas como a continuidade do Bolsa Família são obrigatórios". Relato de ontem:

Dilma fez uma maratona midiática. De manhã deu entrevista às rádios Record e Tupi, em São Paulo, e à noite participou do "SBT Brasil". Serra cancelou visita a Gramado (RS) e foi ao Rio dar entrevista à rádio Globo. Marina dedicou o fim de tarde a um programa na Bandnews, em São Paulo. 

Do presidente da associação de consultores políticos, Carlos Manhanelli:

Enquanto não tem campanha, as rádios são o único caminho para falar com o segmento mais popular e que é maioria do eleitorado.

Escrito por Nelson de Sá às 11h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mídia e golpe na Venezuela

O diretor Oliver Stone, que chega ao Brasil na segunda para lançar "Ao Sul da Fronteira", documentário sobre sete presidentes da América Latina, com destaque para Hugo Chávez, falou à coluna Mônica Bergamo:

Chávez tenta controlar a mídia na Venezuela...

[Interrompendo] Não mesmo. 80% da mídia na Venezuela é privada, dirigida por ricos que falam mal do governo. Chávez brigou pela liberdade de expressão. Alguns canais e revistas convocaram greves e chamaram as pessoas para um golpe de Estado em 2002. Em meu país, se você fizer isso, sua licença [de TV] será retirada.

Há relatos de jornalistas sobre a pressão do governo.

Estou falando do que vi e ouvi. O governo respeita a liberdade de imprensa, exceto nos casos em que a mídia desrespeita a lei ou tenta um golpe. Aí as licenças das empresas de comunicação não são renovadas. A maioria das TVs do país é dirigida por lunáticos, caras de direita que perderam seu poder quando Chávez nacionalizou o petróleo. É uma das imprensas mais histéricas que já vi.

Escrito por Nelson de Sá às 10h37

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Teleguerra

Hoje no "Brasil Econômico", o mexicano Carlos Slim "mandou representantes a Lisboa para negociar participação na estrutura acionária da Portugal Telecom" e "fará tudo para impedir que a Telefónica fique com a Vivo".

A espanhola Telefónica quer o controle da Vivo, maior operadora de celular no Brasil, que hoje divide meio a meio com a tele portuguesa. Ontem, ameaçou realizar uma "oferta hostil".

Slim, dono da Claro, operadora concorrente da Vivo, quer fortalecer a Portugal Telecom no confronto para "impedir a Telefónica de se consolidar no Brasil", integrando telefonia fixa e celular.

Escrito por Nelson de Sá às 10h01

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Serra responsabiliza Evo Morales pela cracolândia

Para as edições, FSP (índice), VE (índice), ESP e OG. Para sites, FSP, VE, ESP e OG.

Escrito por Nelson de Sá às 09h36

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Investigação" responsabiliza BP no vazamento

 

Para as edições, NYT, WSJ, CD e FT. Para sites, NYT, WSJ, CD e FT.

Escrito por Nelson de Sá às 09h22

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Guerra?

Leia a coluna "Toda Mídia" de hoje com links. Na Folha digital, à pág. A14.

Escrito por Nelson de Sá às 09h15

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Delegado é executado quando dava entrevista

Escalada do "Jornal Nacional":

Notícias da insegurança pública. Um delegado é executado quando dava uma entrevista na Bahia. Uma criança é baleada num tiroteio entre policiais e bandidos no Rio.
Mal crônico nas estradas. Entra governo, sai governo, e os problemas nas nossas rodovias desafiam os motoristas.
O diretor do FMI aponta a economia do Brasil como exemplo para a Europa.
O presidente do Irã defende o acordo nuclear em tom de alerta a russos e americanos.
Chega à África do sul a primeira delegação estrangeira para a Copa.
A seleção brasileira já está voando para Johanesburgo. 

Do "Jornal da Record":

Emboscada do crime. Delegado que investigava traficantes é morto durante uma entrevista por telefone. A mulher dele testemunhou a execução.
Luta desigual. Criminosos usam carros blindados, bombas, metralhadoras e ameaçam a polícia. "Essas armas entram no Brasil ou por incompetência ou por corrupção."
Entrevista exclusiva. Piloto da lancha que afundou em Brasília reconhece superlotação.
Perseguição, tiros. Bandidos atacam posto policial para roubar fuzis.
Nossos repórteres pelo Brasil mostram onde está barato alugar imóvel e onde o inquilino leva a pior.
A caminho da África. Jogadores da seleção se encontram com o presidente Lula.
Na série especial, o poder da água reabilita vítimas de acidentes. 

E do "SBT Brasil":

O delegado dava entrevista a uma emissora de rádio e elogiava a segurança em Camaçari na Bahia. No instante seguinte, foi baleado e morreu.
Depois de cinco anos, a Justiça condena o bandido que liderou o bando criminoso PCC.
A seleção brasileira se encontra com o presidente Lula e parte para a África do Sul.
Uma entrevista ao vivo com a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff.
Aconteceu de novo, na mesma cidade. Um bebê cai na linha do trem e escapa com vida.
Um barco com 200 pessoas a bordo afunda no trecho peruano do rio Amazonas.
Uma perereca interrompe a construção de uma estrada no Rio de Janeiro.

Escrito por Nelson de Sá às 21h44

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O pôr-do-sol no "Financial Times"

De Madi Solomon, diretora de padrões de conteúdo global da Pearson, que controla o "Financial Times", ao site paidContent:

Nada como uma crise financeira para um jornal. Eles [no "FT"] não poderiam estar mais felizes, porque alongou o que consideram seu pôr-do-sol, o pôr-do-sol da imprensa... Eles estão investindo bastante em sua presença on-line. Sim, eles vislumbram o fim do impresso. O jornal rosa traz tantas lembranças para tantas pessoas que não acredito que vão parar completamente, mas vão reduzir... Não dizem que em cinco anos vão parar completamente, mas vislumbram que o pôr-do-sol será em cerca de cinco anos, para eles.

Via Blue Bus e Huffington Post.

Escrito por Nelson de Sá às 11h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Slim contra a Globo?

Na capa da Folha, o homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim, decidiu "fundir Embratel e Claro", suas empresas de telefonia fixa e móvel no Brasil, para enfrentar a concorrência da francesa Vivendi e outras.

Mas ele quer mais, informa Julio Wiziack:

Está nos planos o controle da Net. Para isso, é preciso que o Congresso aprove o PL 29, projeto de lei que permitirá estrangeiros como controladores. Pela lei do cabo, estrangeiros só podem deter 49% das empresas do ramo; hoje quem controla a Net é a Globo. As empresas de TV paga fazem pressão contra a votação do projeto, que permitirá a entrada das teles no mercado de TV paga.

Para registro, o blog de José Dirceu saudou anteontem a Anatel, que, "numa decisão corajosa, retirou restrições à entrada de competidores no mercado de TV a cabo, em caráter cautelar". Lamentou a "demora", que "só atende aos interesses dominantes".  E linkou análise do site Tele.Síntese, que elogia a medida, mas cobra a aprovação do PL 29.

Escrito por Nelson de Sá às 10h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pesquisa & propaganda

Da coluna Mônica Bergamo:

A decisão de Aécio de não ser o vice de Serra foi tomada "com base em análises e não vontade pessoal", diz pessoa da mais absoluta confiança do mineiro. Pesquisas do Vox Populi para o tucano mostram que só 4% dos que votam em outros candidatos poderiam mudar caso Aécio fosse vice. Ou 0,4% do eleitorado do país.

E do Painel de Renata Lo Prete:

As cabeças mais sóbrias da campanha de Serra estão preocupadas com a verborragia a respeito de dois assuntos. O primeiro é a possibilidade de Aécio ser vice, apresentada como a salvação da lavoura. O outro é a previsão de que crescerá nas pesquisas quando for exposto na propaganda -o programa do DEM é amanhã; o do PSDB, no final de junho; e há inserções. Os defensores da contenção verbal fazem raciocínio simples: a construção da expectativa só ampliará o efeito de frustração caso tais coisas não aconteçam.

Por outro lado, informam Gabriela Guerreiro e Valdo Cruz:

Apesar de Serra minimizar as pressões para que Aécio seja seu vice, a cúpula tucana pretende conversar com o mineiro para cobrar definição. Tucanos avaliam que o anúncio de Aécio pode representar um "fato novo" que ajudaria Serra a retomar a dianteira nas pesquisas, além do uso dos programas do PSDB e de aliados.

E informa Cátia Seabra:

Apostando no horário político para a reversão dos números, o comando da campanha assumiu o programa que o PTB -futuro aliado- exibirá em 24 de junho. Segundo o presidente do PTB, Roberto Jefferson, a produção ficará a cargo do coordenador de comunicação de Serra, Luiz Gonzalez. "A produção é do Serra. O programa é para o Serra, quem produz é ele", disse Jefferson, após almoçar com o candidato. "Depois da convenção, tudo estará dentro da lei."

Escrito por Nelson de Sá às 09h42

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Professor reprovado, que nem fez teste, qualquer um

 

Para as edições, FSP (índice), VE (índice), ESP e OG. Para sites, FSP, VE, ESP e OG.

Escrito por Nelson de Sá às 09h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama manda guardas à fronteira com o México

 

Para as edições, NYT, WSJ, CD e FT. Para sites, NYT, WSJ, CD e FT.

Escrito por Nelson de Sá às 09h04

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Inimigos externos

Leia a coluna "Toda Mídia" de hoje com links. Na Folha digital, à pág. A14.

Escrito por Nelson de Sá às 09h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Recém-nascido morre ao cair de maca com defeito

Escalada do "Jornal Nacional":

Órgão revela retrato assustador das estradas federais. O próprio governo diz que precisa de mais cinco anos para elas melhorem.
Um defeito na maca do hospital mata recém-nascido e fere a mãe.
Cientistas apresentam uma bactéria que ajuda no aprendizado.
Nossos repórteres mostram o ônibus brasileiro que não polui.
Governo dos Estados Unidos critica a carta do Irã à agência de energia atômica.
O clima de tensão entre as Coreias derruba Bolsas de Valores.
Dezessete dias para a Copa. Kaká vai a campo no último treino da seleção em Curitiba.
Na série de reportagens sobre os nossos jogadores, o zagueiro que abre mão do uso da força. 

Do "Jornal da Record":

Explosões em São Paulo. No vazamento de gás e no assalto ao caixa eletrônico com dinamite. O impacto assustou até os ladrões.
Famílias consumidas pela droga. Desesperada com o filho, mãe põe fogo na própria casa. Jovem tenta trocar carro do pai por crack.
Viciado pede a policiais para ser preso. Ele era jurado de morte pelos traficantes.
Em postos, gasolina é vendida sem imposto, e consumidores fazem filas gigantescas.
Sonho de candidato. Dilma, Serra e Marina criticam carga tributária.
Discriminação na escola provoca mais uma indenização na Justiça.
Verdades e mentiras sobre a água nossa de cada dia. 

E do "SBT Brasil":

Recém-nascido morre ao cair da mesa de cirurgia.
Aposentado fica de cueca porque não conseguiu passar pela porta do banco. A empregada que tirou a roupa pelo mesmo motivo e ganhou o direito de receber R$ 70 mil.
Pela primeira vez, a Justiça brasileira manda indenizar um passageiro que teve trombose durante um voo.
Um temporal destrói o teto do maior hospital infantil do Piauí.
As últimas novidades para evitar que o seu carro seja roubado. "As câmeras registram tudo o que acontece dentro e em volta do veículo."
Motoristas fazem fila para aproveitar combustível mais barato do dia sem imposto.
A seleção faz o último treino em Curitiba e viaja amanhã para a África do Sul.
Para evitar surpresas durante a Copa, médicos vão acompanhar torcedores que têm problemas de coração.
Já virou doença. As pessoas que entram em desespero ao ficar longe do celular.

Escrito por Nelson de Sá às 21h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Ódio dá mídia, não dá voto"

Mais do Panorama Político, sobre a "Criminalização da campanha" após o empate apontado por Datafolha, Ibope, Sensus e Vox Populi:

Um dos políticos mais experientes do Congresso, e que presenciou de camarote a história recente do Brasil, está apavorado com a ação do PSDB nos tribunais eleitorais. Argumenta que não se pode ignorar a lei, mas que é erro grave tratar adversário como criminoso. Afinal, já fizeram isso contra Getúlio e Juscelino. Diz: "O ódio dá mídia, mas não dá voto". Acrescenta que, cada vez que o TSE aplica multa no presidente Lula, a leitura do eleitor é: "PSDB multa Lula". Sarcástico, comenta: "Deve ter gente do PT aconselhando os tucanos".

Escrito por Nelson de Sá às 10h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sangue

No "Globo", o Panorama Político de Ilimar Franco relata pressões para José Serra "mudar a linha e o tom" da campanha, "abandonar a postura cordial e começar a bater".

A avaliação é que "não há tempo para descontruir Lula, mas é preciso atacar Dilma". As pesquisas teriam indicado que "o discurso pós-Lula não combina com a candidatura de José Serra".

Na Folha, Catia Seabra informa que, "com o empate, a oposição aposta numa disputa violenta". Para o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, será "uma batalha campal". Para o ex-presidente do PFL, Jorge Bornhausen, "uma disputa sangrenta".

Mas ambos "insistem que a agressividade parte do adversário".

Por outro lado, contra as inserções e os programas nacionais de PSDB, DEM e PPS em junho, "o PT pretende usar suas inserções estaduais para continuar apresentando Dilma como a candidata de Lula". Sobre as críticas à campanha, o presidente do partido, José Eduardo Dutra, ironiza:

Vamos continuar errando na mesma linha.

Escrito por Nelson de Sá às 10h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

FHC, os Clinton e a suspensão da visita de Obama

De Kennedy Alencar, na Folha, sobre a recusa do convite:

Lula atribui a recusa a dois fatores: divergências na política externa e uma interferência dos Clinton para Obama não fazer uma visita que pudesse virar ato eleitoral pelo PT. A diplomacia americana argumenta que seria inusual uma visita às vésperas de uma decisão eleitoral. Segundo um ministro, o governo brasileiro acredita que o relacionamento do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com o ex-presidente Bill Clinton e com a secretária de Estado, Hillary Clinton, frearam uma aproximação maior de Lula com Obama. Na versão, houve gestões do PSDB com os Clinton para evitar o encontro antes das eleições e, por extensão, um benefício a Dilma.

O Radar informa que a eleição "já começa a chamar a atenção no exterior: nada menos que 14 agências internacionais se credenciaram para a sabatina da CNI", inclusive a chinesa Xinhua.

Começou às 9h, ao vivo no UOL e no "live blog" da Folha.com.

Escrito por Nelson de Sá às 10h06

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama recusa convite de Lula para vir ao Brasil

 

Para as edições, FSP (índice), VE (índice), ESP e OG. Para sites, FSP, VE, ESP e OG.

Escrito por Nelson de Sá às 09h17

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

EUA ordenam operações militares secretas no Irã

 

Para as edições, NYT, WSJ, CD e FT. Para sites, NYT, WSJ, CD e FT.

Escrito por Nelson de Sá às 08h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Le Monde" apoia

Leia a coluna "Toda Mídia" de hoje com links. Na Folha digital, à pág. A14.

Escrito por Nelson de Sá às 08h38

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Menor mata. Menor é estuprada

Escalada do "Jornal Nacional":

Um dos condenados pela tortura e assassinato do jornalista Tim Lopes foge da cadeia no Rio. Ele tinha sido beneficiado com o regime semiaberto.
Um turista italiano é morto por um menor de idade em Fortaleza.
O advogado do americano suspeito de matar a mulher brasileira diz que o cliente voltou para os Estados Unidos contrariando a ordem da Justiça mexicana.
Uma pesquisa do governo mostra a situação crítica de mais da metade das rodovias brasileiras.
A Coreia do Sul ameaça responder imediatamente a qualquer novo ataque norte-coreano.
A empresa responsável pelo vazamento de óleo no Golfo do México reconhece o fracasso nas tentativas de conter o desastre.
A Argentina goleia o Canadá no amistoso a 18 dias da Copa.
Na seleção brasileira, um especialista em desnortear os jogadores adversários. 

Do "Jornal da Record":

O crime no baile de debutantes. Menina é estuprada durante a festa, e dois suspeitos são investigados.
Polícia encontra lancha que afundou em lago de Brasília. Duas adolescentes estão desaparecidas.
ONG que cuida de animais é suspeita de maus tratos e de desvio de dinheiro.
Sem tiro, sem violência. Ladrões de carga se disfarçam de caminhoneiros.
Fora da planta. Famílias recebem casa diferente da que foi comprada.
Fora do orçamento. Ministros recomendam a Lula que não aprove o reajuste aos aposentados.
O poder da água. Os banhos de tratamento capazes de curar doenças.
O poder dos negros. Ele sonhava ser piloto, ela, professora, e ele, modelo. Três histórias de brasileiros que venceram apesar dos obstáculos.

E do "SBT Brasil":

Motoristas invadem o pátio da prefeitura do Rio para tirar na marra carros apreendidos.
Uma menina de 14 anos é estuprada durante uma festa de debutantes no interior de São Paulo.
Um adolescente é suspeito de matar um turista italiano em Fortaleza.
O piloto conta como a lancha com 11 pessoas a bordo afundou no lago Paranoá, em Brasília. Duas irmãs estão desaparecidas.
O carro que pegou fogo em uma corrida na Europa.
Pela primeira vez uma clínica de aborto faz anúncios na TV inglesa.
Ministério do Trabalho incentiva a redução do horário de almoço de uma para meia hora.
Adriano, que fez juras de amor ao Flamengo, pode estar de malas prontas para voltar à Itália.
Depois de três dias, o torcedor consegue chegar perto dos jogadores da seleção brasileira.

Escrito por Nelson de Sá às 21h38

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Em ano de eleição

A novela das oito marcou "a terceira pior quinta-feira da década", atrás das vésperas de Natal e Ano Novo em 2009. Em outras palavras, no blog de Daniel Castro no R7, foi "a menor audiência em dia útil", 30,7.

E no sábado não passou de 25, informam hoje Na Telinha, no UOL, e Radar, na Veja.com. De Lauro Jardim, no post "A Globo cruza os dedos":

A noite de hoje é de expectativa para a cúpula. Começa a segunda semana do seu produto mais importante, a novela das oito. Para tentar reagir, a Globo está usando sua tática-padrão: aumentou o número de chamadas em toda a programação. Agora, é rezar.

A coluna Televisão, também no UOL, informa que "a direção da Globo orientou seus autores a não abordar em novelas e seriados temas como política e eleições, ordem que deve estender aos programas de humor".

Escrito por Nelson de Sá às 12h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Institutos, partidos e meios

No Globo Online, o final da entrevista de Ricardo Noblat com o presidente do Vox Populi, Marcos Coimbra:

Aécio de vice poderia ajudar Serra a se eleger ou não acrescentaria grande coisa?

Aécio só é bem conhecido em Minas, onde Lula é muito querido. Serra está bem e é dificil avaliar se um ganho em Minas faria diferença.

Não dá para avaliar se um ganho em Minas faria diferença para Serra? Ou você prefere não avaliar?

Minas é 11% do eleitorado. Aumentar 20 pontos no Estado é 2% no total do país. Pode ser muito pouco no resultado final.

Por que a história registra erros tão clamorosos cometidos por institutos de pesquisa?

Os erros existem e todos procuramos reduzi-los ao mínimo. Mas os institutos brasileiros estão entre os que mais acertam no mundo.

É certo que institutos pesquisem ao mesmo tempo para partidos e meios de comunicação?

É nossa tradição, mas é natural que seja discutida. Pode ser um dos itens a tratar na reforma política que aguardamos.

Montenegro, do Ibope, disse à "Veja" no ano passado que a eleição de Serra era segura. Era na época ou ele estava errado?

Acho que seria melhor perguntar isso a ele.

Escrito por Nelson de Sá às 11h18

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na propaganda pré-eleitoral, R$ 3 bi e subindo

De Plínio Fraga, na Folha:

O governo de São Paulo foi o que mais gastou com publicidade, quase um quinto do R$ 1,69 bilhão que as administrações estaduais desembolsaram na véspera do ano eleitoral. José Serra gastou mais com propaganda do que com transferência de renda.

Já "o governo federal, sozinho, teve gastos de R$ 1,119 bilhão em 2009". E este ano, informa Regina Alvarez, no "Globo":

Nos quatro primeiros meses, o governo federal gastou R$ 240,7 milhões, 63,2% a mais do que no mesmo período de 2009. A legislação proíbe publicidade nos três meses que antecedem a eleição, mas as regras para o primeiro semestre são mais frouxas.

Escrito por Nelson de Sá às 10h36

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Kassab amplia veto a moto e estacionamento

 

 

Para as edições, FSP (índice), VE (índice), ESP e OG. Para sites, FSP, VE, ESP e OG.

Escrito por Nelson de Sá às 10h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

EUA diminuem pressão sobre moeda chinesa

 

Para as edições, NYT, WSJ, CD e FT. Para sites, NYT, WSJ, CD e FT.

Escrito por Nelson de Sá às 10h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A jogada global de Lula

 

 

Para as edições, Veja, Época e IstoÉ. Para sites, Veja, Carta, Época e IstoÉ.

Escrito por Nelson de Sá às 09h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Datafolha lá

Leia a coluna "Toda Mídia" de hoje com links. Na Folha digital, à pág. A10.

Escrito por Nelson de Sá às 09h50

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Nelson de Sá Nelson de Sá é articulista da Folha de S.Paulo.
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.